quinta-feira, junho 29, 2017

Coluna semanal da Psicóloga Marian Martins (29/6 a 6 de julho)

COMPORTAMENTO 

Ser responsável por adotar um comportamento próprio é algo possível e crucial nos dias de hoje. Há uma importância cada vez maior focada nos atributos pessoais das pessoas, principalmente no mercado profissional, e é o comportamento de cada um que vai aumentar sua cotação e definir seus valores.

Instrumento importante para a formação de um comportamento pessoal de destaque é o pensamento, por meio do qual conseguimos aproveitar os conhecimentos adquiridos na vida social e cultural. O raciocínio é uma cadeia infinita de representações, juízos e conceitos, que faz com que nosso conhecimento se forme a partir das representações do que já vivemos. Dessa forma, os nossos conceitos e comportamentos.

A maneira como cada ser humano se comporta em sociedade é vital até em sua apresentação pessoal, e a mensagem que se passa é principalmente a que fica. Existem pessoas que chegam marcar as outras por sua elegância, sua pureza, ou pela sua sabedoria, até mesmo pelo seu cheiro.

As pessoas são responsáveis pela sua apresentação, pelo seu comportamento e suas maneiras. Mais do que a beleza, é impressionante como é natural o aprendizado do comportamento para alcançar determinado objetivo. Muitas vezes o comportamento desejado é alcançado e um elemento de recompensa é adicionado. Quando a pessoa é exposta a situações positivas, ela acaba adotando os comportamentos adequados que vêm dessa experiência.

Os psicólogos preferem dar mais ênfase sempre a questões positivas do que à punição. O comportamento punido não é esquecido; a punição pode acarretar problemas ao sistema nervoso como ansiedade, depressão, baixa autoestima e outros. Um comportamento ruim que sofra alguma punição pode, no futuro, reaparecer em outras situações. Tudo que for negativo passa a ideia de uma obrigação, e o comportamento negativo, quando punido, não vai conduzir a pessoa a um comportamento mais desejável. É preciso ter em mente sempre um reforço positivo para que ocorram mudanças. Punição diz o que não fazer, mas o reforço diz o que fazer.

O raciocínio da pessoa vai ser correto ou incorreto conforme aquilo que o pensamento relacionar. Então, para que o raciocínio seja correto, é necessário ser lógico, mas devemos ter em mente que o pensamento não se resume a associações e, sim, a uma capacidade de conseguir dar forma às próprias ideias.

Para causar menos dor e para que não reapareçam os comportamentos ruins, é necessário tentar evitar a punição. Ela causa ansiedade e ensina a agressividade, quando o ser humano passa por momentos indesejáveis.

PSICOLOGIA APLICADO NA MODA E NO COMPORTAMENTO.

Marian Martins​
| psicóloga | CRP RS 07 10386 | CRP PR 08 IS 335
54.99971.8840
www.facebook.com/marian.martins3

Nenhum comentário: